quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Finalmente voltei às leituras!

Hoje acabei de ler um livro que me demorou imenso tempo a acabar. Não por ser grande (muito pelo contrário), nem pouco interessante (muito pelo contrário!), mas nos últimos dias não tive muita vontade de pegar num livro, depois de ter pegado nuns três antes deste e não ter avançado em nenhum destes além da página 30 (exceto a «Alice no País das Maravilhas», que consegui ir até à 50. Só que achei a história tão pouco interessante, mesmo que fosse escrita com a linguagem mais fácil deste mundo, que decidi libertar-me deste peso e recolocar esta obra na estante). Mas decidi acabar hoje, pois voltei a ganhar aquele impulso literário devorador de livros que já não sentia desde que tinha acabado de ler o «Huckelberry Finn».

E o livro que acabei de ler foi «O terceiro homem», de Graham Greene. É curioso por ter originado um guião para filme e não ter sido planeado como livro. Muitas pessoas dizem que o filme é cem vezes melhor que o livro (por acaso gostava muito de o ver), mas gostei do livro. Um bom thriller, indicado para quem gosta de histórias que envolvam crimes e mistério. É um clássico da literatura, e em certa medida uma crítica à situação da Europa após o final da II Guerra Mundial, criando uma situação fictícia com as quatro potências - EUA, Inglaterra, França e Rússia - onde a Europa está muito devastada com os conflitos entre as mesmas. Vale a pena ler, principalmente por ser muito leve e convidativo - e agora vou voltar a ter vontade de ler mais livros interessantes!


Nota: ****


E entretanto vou começar outra obra curtinha, que deu origem ao recente filme português realizado por Edgar Pêra: falo de«O barão», de Branquinho da Fonseca.

Boas leituras!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).