domingo, 13 de novembro de 2011

Em artigo de jornal, todos opinam mas só falam mal

Como deveis saber - ou se não sabem passam a saber - eu sou uma pessoa que gosta de se informar. Gosto de ir aos sítios online dos jornais (quando não os posso consultar em mão) e ler artigos interessantes e textos de opinião de um ou outro cronista. Mas aquilo que certamente me dá mais gozo de ver nas páginas dos artigos é os comentários que certos indivíduos vão lá escrever. Por vezes, acontece como no youtube nos vídeos mais polémicos, iniciam-se grandes discussões que criam verdadeiras batalhas campais, que felizmente, ficam pelo computador e não passam para a realidade.

É interessante como num artigo sobre a Amy Winehouse se pode chegar a uma discussão sobre racismo e sobre o Obama. As voltas que essas conversas dão.

Mas há ali uns comentadores repetentes, sim. Certos indivíduos que se calhar nada mais têm a fazer do que ir comentar qualquer notícia que lhes apareça à frente. No caso do site do DN, lembro-me de dois veteranos: Ingunurante e Ludovico, mas há mais. Só que de momento só me recordo destes dois.

E aparece cada comentário... há, no meio de todo aquele enxoval de insultos, palavrões, piadas sexistas e tudo o mais, verdadeiras peças de comédia grotesca e popular que mereciam ser lidas dada a tamanha quantidade de estupidez que emanam pelos poros.

Aposto que, quem tem de aprovar a publicação de todos aqueles comentários, deve chegar ao final do dia com umas dores de barriga profundas como o buraco da Madeira, dada a grande quantidade de gargalhadas que deve ter dado ao lê-los. Penso, na minha mísera opinião, que esta problemática dava para fazer um grande filme. Cómico ou não, isso seria à escolha do realizador/argumentista. Mas que dava um filme, dava sim senhora.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).