domingo, 6 de novembro de 2011

Associações de estudantes, ou... Máfias de estudantes?

Nas escolas, estamos a chegar àquela fatídica época do ano letivo que envolve muita publicidade, música para furar os tímpanos e listas. Não, meus amigos e amigas, não estou a falar do Natal, que também anda à porta e que consegue ser deveras irritante, já que voltou a Popota para destruir mais uma música pop que, por si própria, já era péssima.

Hoje vou azucrinar, como só eu sei fazer, essa coisa que são as associações de estudantes.

Nos últimos dias tenho visto uma grande euforia (como já é habitual todos os anos) à volta das campanhas. Vota Alpha, Vota J, Vota XYZ... Todas prometem uma série de coisas boas para a "jubentude", e ninguém se apercebe que aquilo são só promessas publicitárias, com nenhuma vantagem para a escola, e aliás, se uma dita lista vencer, vai também estar longe de conseguir concretizar alguma das publicidades que criou para aliciar o voto na mesma.

E para quê tudo isto, pergunto eu? Para quê se, logo um dia ou dois a seguir à votação, a associação escolhida desaparecer, completamente? Porque eu sei, sim, estas associações são inúteis, quase como que umas pequenas máfias internas. Já não bastava as que se situam a cerca de dois ou três metros do recinto da escola, agora também é preciso uma máfia para dentro da escola? Está bem... Muitos falam, falam, falam, falam, e fazer? Nada. Fazem para eles, porque a associação está cheia de coisas boas. Isto em certa medida me faz lembrar, não sei porquê, «O triunfo dos porcos», tentando pôr, no lugar dos porcos, as pessoas da lista vencedora das eleições para a associação. E é melhor ficar por aqui nesta comparação, já que só os que leram o livro é que irão perceber o que eu quero dizer, e os outros vão pensar que eu estou a comparar esses estudantes a suínos.

As associações de estudantes são como certas autarquias. Não fazem nada e o pouco que fazem só estraga tudo. Mas depois, para acalmarem os eleitores, os autarcas/listas de estudantes põem-se com promessas de produtos ou ofertas nas campanhas, e os eleitores, como que uns meninos que querem ter todos os brinquedos do mundo, alinham nesses esquemas, calam o bico e votam nesses autarcas à bruta, para terem ainda mais regalias se o dado autarca ou a dada lista ganhar a eleição. No caso das associações, há, entre outras coisas, descontos em lojas de marca ou porta-chaves e pins de companhias telefónicas. Nas autarquias, há também uma grande variedade de escolha, como espremedores de sumos, secadores de cabelo ou, como fez o major Valentim na sua última campanha, concertos do Tony Carreira.

Só que continuam todos a ir atrás da onda, mesmo tendo-se apercebido de todas essas palermices. Até na minha turma já se criaram duas listas. E se vai sair alguma coisa delas? Na, nem por isso. Se já eu, como delegado de turma, não posso fazer muita coisa, o "sonho americano" meio idiota desses petizes também está longe de ser concretizado.

Quando há campanhas, eu, como bom eleitor que sou, aproveito o maior número de ofertas que todos dão. Saio empanturrado de tanta bolacha de chocolate que petisquei, ou com os bolsos repletos de papelada e canetas. E depois, sou ainda capaz de, nas votações, deixar o meu voto em branco. É essa a minha diferença em relação a todos os outros eleitores. São aliciados a votar nesta ou naquela lista, tentanto ver com qual delas ficaram com a barriga mais cheia. Eu apenas como e levo o que me derem mas depois, para estragar em branco, talvez até ponha um voto mais branco que uma t-shirt acabada de lavar com a nova invenção de Skip. Que grande confissão chocante que este ser humano acabou de fazer, hein?

Mas se calhar, para evitar tareia, é melhor votar numa lista. Faço um-do-li-tá e está feito. É que são todas muito semelhantes... todas tão prometedoras mas depois todas tão fraquinhas...

Até me convidaram a integrar listas, e eu ao princípio até estava entusiasmado. Mas passados alguns segundos, abateu-se sobre a minha pessoa o choque que é a realidade, e recusei os convites. Porque se é par a parvoíce, mais vale eu ser só delegado de turma e escrever neste blog. Para ser um dos parvoeiros-mor, não vale a pena. É uma grande responsabilidade. Nem sei se as minhas parvoíces ficariam ao nível do meu cargo.

Tenho dito.

2 comentários:

  1. E pronto. O tão prometedor post. Sim, não posso ir contra aquilo que dizes, porque também costumo pensar assim. Mas vá, fechar os olhos uma única vez e integrar uma lista pode ser uma experiência bastante agradável. Está a sê-lo, até agora, e ainda nem começou a "publicidade" e a "música para furar os tímpanos". Portanto, acho que a última coisa a dizer é.. VOTA ALPHA RUI! :)
    p.s: tão bem escrito, como é habitual

    ResponderEliminar
  2. Sim, talvez Rita... Talvez... Já em relação ao voto, hmm... sei não xp

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).