Senna

Às vezes fico incrédulo com as notas e comentários que certos criticos dão a certos e determinados filmes, dando por vezes uma pontuação a uns que não chegam a dar a outros, mesmo que estes sejam semelhantes ou melhores que os outros.
O caso em questão é o filme «Senna», que acabei de ver há cerca de uma hora, e da crítica que Roger Ebert (um crítico que muito admiro e do qual sigo frequentemente o seu trabalho) fez a essa fita. Na crítica, Ebert deu 2.5/4 ao filme, e diz que este filme cumpriria a sua premissa, se se tratasse de um daqueles documentários de televisão dos canais desportivos, não revelando nada de novo sobre a vida do grande corredor de formula 1, considerado por muitos (eu próprio inclusive) como o melhor de todos os tempos. Ao ler esta crítica, há cerca de umas duas semanas, fiquei espantado e algo desolado sobre como seria o filme. Mas hoje vi-o e, pelo menos eu e os meus Pais, ficámos muito satisfeitos com o filme.
Eu sou um apreciador de formula 1 e um fã do Senna, e gostei da forma como a vida dele foi abordada para o grande ecrã. O que contribuiu muito para isso foi, sem dúvida, o facto do realizador não ser brasileiro (o que poderia condicionar o filme), dando uma visão mais imparcial da carreira do corredor. Asif Kapadia, realizador do filme, consegue, através de testemunhos da família Senna, de comentadores desportivos e pessoas chegadas a Ayrton Senna, um grande documentário que merece ser visto, quer se seja um fã ou não de formula 1. E ao contrário do que o Roger Ebert diz, eu não acho que este filme se assemelhe a um documentário televisivo. É bem mais que isso. Aliás, porque tudo o que há de importante para dizer sobre o Senna é dito, nada fica esquecido. O filme aborda principalmente dois temas: a relação algo conflituosa de Ayrton Senna com Allan Prost, e também a fama que o corredor teve no Brasil, que perdura até hoje, após o terrível acidente fatal de 1994, que o elevou a estatuto de lenda internacional.
Uma grande fita, auxiliada por uma competente montagem e uma boa banda sonora, faz jus à personalidade que foi Ayrton Senna. Porque as grandes figuras merecem grandes filmes. Senna tem, agora, o seu.
Nota: ****1/2

Comentários

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).