quarta-feira, 14 de setembro de 2011

A saga do Continente - episódio 4: Desforra no LIDL

Ah ah pois! Parece que o Continente, a conhecida marca de supermercados que a SONAE detém decidiu voltar a atacar outra cadeia de supermercados. Mas desta vez não foi o Pingo Doce. Foi o LIDL. Sim, agora o Continente quer trucidar a marca alemã com mais uma campanha publicitária protagonizada pelo famoso actor que sempre que fala diz os «t's» de uma forma estranha.

Mas para verem como eu tenho razão e não estou a imaginar, analisemos o final do novo spot publicitário do Continente. No final do anúncio, ouve-se o moço dizer que a marca É é a melhor para quem quer «qualidade ainda mais barata».

Já perceberam? Ah pois! O slogan do LIDL é «Aqui a qualidade é barata», e agora o Continente ripostou, dizendo que ainda é mais barata. Mas de qualidade acho que não deve ter grande coisa, porque já umas vezes levámos produtos da marca É cá para casa e constatei duas coisas:

1.º - estes produtos eram (e continuam a ser e continuarão a ser no futuro) fraquitos;

2.º - Dar uma marca o nome É... é parvo.

Resumindo e concluindo, a marca É é mais barata porque os produtos são mais fraquinhos. Mas é desta maneira que o Continente quer destruir outras marcas. Gozando com os seus slogans.

Ó Belmiro de Azevedo, aqui entre nós que ninguém nos ouve... Sabe, acho essa técnica de publicidade um bocado infantil... Imagine lá dois miúdos na escola, um é o moço Continente e o outro é o pirralho LIDL. E a discussão deles, basicamente, seria isto:

"Eu tenho produtos mais baratos!"

"Eu é que tenho e com melhor qualidade!"
"Na na, tu és cócó."

"Quem diz é quem é! Estás-te a ver ao espelho!"

Não poderiamos viver numa sociedade menos infantilizada? É que não me admira nada que um dia destes a publicidade das cadeias de supermercados se assemelhe a uma emissão do Baby TV.

Não digam que eu não vos avisei... Olhem que eu muitas vezes parece que adivinho as coisas!

To be continued... Quando houver mais material parvo para tratar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).