Dominó: uma crónica parva (para não variar)

Entre todas as coisas parvas que faço para enriquecer o meu dia-a-dia (nessa infindável lista, encontra-se, claro está, "escrever no blog"), há uma que, nos momentos de Verão, tenho algum apreço especial.

Estou a referir-me ao meu hábito irritante ou giro de montar as 28 peças de um dominó infantil que aqui por casa tenho, fazer a montagem com todo o cuidado, para no final fazer um estardalhete ao fazer cair a última peça do conjunto, que vai fazer com que as outras caiam sucessivamente.

Isto para alguns pode ser trabalho desperdiçado, e para outros pode ser uma metáfora que representa a vida humana.

Ou então é pura parvoíce.

Voto nesta última.

Mas eu gosto dre fazer isto, é a vida. Há quem tenha por ideia no Verão fumar onze charros ao mesmo tempo ou então atirar-se de uma ponte.

Eu gosto de fazer estas coisas.

Acho que assim pelo menos consigo ser mais saudável.

E com mais probabilidades de ser agradido na rua.

Mas não faz mal.

Comentários