sexta-feira, 27 de maio de 2011

Viajando nas estatísticas

Hoje decidi alimentar o meu ego e fui ver as estatísticas do blog que, embora não sejam grande coisa, dão alguns dados interessantes.

Como por exemplo, Portugal é o país onde o meu blog é mais lido (com pouquinhas visualizações, cerca de seis mil, mas é o que tem mais), seguido pelo Brasil e pelos Estados Unidos. Nesta lista ainda integram Rússia, Holanda, França, Alemanha, Canadá, Suíça e Japão! Uau... tantos países... bem, a partir dos EUA as visualizações começam a reduzir para a centena... mas já é bom haver pessoas noutros países a virem cá parar! Devem vir por engano, mas fica registado! Ah pois é!

É também interessante saber que há pessoas que vêm ler o blog em Ipods, blackberries, e playstation 3! Impressionante...

Depois é de reparar que muita gente vem cá parar ou porque eu escrevo em fóruns (e na assinatura das minhas mensagens, aparece o link do blog).

Ah, e as palavras de pesquisa que as pessoas usam para virem ter a este blog. A mais usada é «companhia das amêndoas» (se forem ao google e puserem apenas «companhia das a», aparece por baixo a palavra! Espantoso...). Depois, há «casa da pradaria» também fortemente concorrida (apenas escrevi um post sobre essa série e foi há muito tempo), «musicas recentes», «expressões portuguesas», «Antonio Ferrandis» (o mítico Chanquete da série «Verão azul») e também «rui sinel de cordes nuno markl». Ou seja, há pessoas que vieram ler propositadamente o meu post sobre essa mini-polémica que envolveu esses dois humoristas. Não sei porque é que escolheram o meu blog, mas ok.

Em termos de artigos, o mais lido foi um sobre a polémica da Maitê Proença, seguida pelo mini-post de apelo para ajuda na votação do concurso do DN. Depois seguem-se outros posts, na sua maioria com vídeos ou que fazem referência a alguém famoso. Aiai... estas estatísticas são fraquinhas, mas para mim... é obra!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).