quinta-feira, 5 de maio de 2011

Coisas que me irritam (n.º 25) - Estrangeirismos em demasia

Estava eu a «trolitar» pela imensidão da internet, procurando uma ideia para um post no blog (estou naqueles dias de «tenho de escrever alguma coisa aqui hoje senão... Oh pá sei lá!»), até que, ao ouvir um senhor aqui na câmara ao falar ao telefone, surgiu-se-me uma espécie de lâmpada na minha mente que se acendeu (é raro quando isto acontece... já está cheia de pó, a lâmpada... pouco uso, é o que dá). Bastou ouvir «Ah, ok, então um dia destes temos de nos falar face to face», para descobrir que SIM! Está na altura de regressar com as «Coisas que me irritam», e desta vez, vou falar sobre a maneira estranha e certamente irritante como as pessoas gostam de usar estrangeirismos para tudo e para nada!

Começo por dar alguns exemplos: outro dia, estive a ver o Quem quer ser Milionário (não o original, este diz que tem pressão mas depois vai-se a ver e... enfim), um programa que vejo quando calha, e só pelas perguntas (não me interessa nada ver o Malato perder tempo na estação do Estado para fazer as suas piadinhas secas). Nesse dia em que vi o programa (e dessa vez vi-o todo porque estávamos a jantar), apareceu um rapazola, que eu até diria ser mais novo que eu (mas que não era, porque o mínimo de idade é dezoito anos, por isso embora não pareça, o miúdo já atingiu a maioridade) que estava a concorrer (ah, já agora, ele não ganhou o prémio. Foi só com quinhentos eurinhos para casa. Também aquela sessão já estava a ser tão má que os concorrentes tinham sido todos eliminados e o prémio máximo era 3.500 euros...). E o Malato a perguntar «A sua área, é quê? Televisão, cinema? ». Não me lembro bem da pergunta mas o que interessa é a resposta do rapaz, que eu considero brilhante (alerta: ironia no ar). E o que é que o miúdo respondeu, perguntam vossemecês? Bem, a resposta dele foi nada mais nada menos que «Ah, kind of».

Era preciso? Era preciso, em vez de dizer «Ah, é desse género», ou até mesmo «É dessas cenas, do catano, meu!» (que mesmo que seja achungalhada tem mais a ver com a nossa língua), referir essa expressão inglesa? A sério, há um grande problema na minha faixa etária. Toda a gente tem a mania de ver o inglês em tudo. Uma coisa é dizer palavras que são mesmo inglesas, ou até citações de filmes que soam melhor em inglês (como eu costumo fazer), mas agora substituir a nossa língua pelo estrangeiro... Quer dizer!

E qual é a razão disto? «Ah, é giro...». Hmm... era giro era se muita gente que tem a mania de falar inglês tirasse melhores notas a essa disciplina. Não é irónico, isto?

Pronto, pronto... se calhar andei a dar tareia de mais no rapaz... Coitado, pronto... além de ter uma imagem daqueles tipos que um dia ou viram executivos ou técnicos informáticos, não sabe falar português, a sua língua materna... Pelo menos falou em inglês e disse alguma coisa, não ficou calado...

Mas há casos piores (e aqui volta o meu espírito crítico maquiavélico). Pessoas na net que falam só com estrangeirismos em palavras que poderiam estar em português... Mas o que mais me irrita (e mesmo solenemente) é pessoas que de cinco em cinco segundos soltam uma dessas...

Mas o que é mesmo mau é ouvir uma converseta de amigas, mais ou menos do género «Ah, eu ó falo inglês», parecendo que estavam a competir quem falava mais em inglês (mas não é inglês mesmo, é só expressões...). Mas o que foi mesmo mau foi ouvir uma delas (que aqui vai ficar anónima e espero que ela não chegue a ler este post (senão for god's sake, estou feito! - é bonito, não é? Usar o inglês assim à toa...), a dizer que «Ah, eu agora até já penso metade em inglês metade em português!».

Nem vou comentar. Isto nem merece comentário. Eu na altura nem disse nada que não me apetecia criar conflitos.

Gostava que os meus posts fossem muito lidos. Para poder depois poder ler opiniões do género «Se 'tás mal muda-te, tá?», ou «o inglês é bué de cool pá!»... Uma coisa que eu gosto muito de fazer (e que com certeza se nota nos meus textos) é o prazer que me dá criticar a minha geração. Há tantas coisas parvas para satirizar. E lê-las vindas da cabeça de um puto que faz parte dessa geração e vive por experiência própria, ainda melhor!

Resumindo e concluindo, porque as mãos já me cansam de tanto escrever (e já nem conto os erros que a minha velocidade a escrever no teclado deixou): Usem o inglês, mas esta língua é como as bebidas alcóolicas. Sejam responsáveis. Usem com moderação. É claro que já nos habituámos a ela, e eu não quero dizer que sou patriota e que A NOSSA LÍNGUA É QUE É! Nada disso. Quero dizer apenas que sim, senhor, eu gosto também de usar o inglês, mas não para fazer figuras tristes como fez o choninhas na televisão... 'Tá bem?

Porque é assim, com estas situações, que depois se criam imagens da nossa geração que nos faz pensar que é mesmo parva!

PS - Depois deste post aposto que irei ser promovido antecipadamente para homem de 30 anos pelas pessoas da minha idade. Tenham calma e leiam o post com atenção. Já que dizem que a nossa geração acha que sabe tudo, então vamos tentar pelo menos saber alguma coisa e ler um texto com atenção. Como há pessoas que gostam muito de dizer que eu tenho uma mentalidade muito avançada, embrulhem esta mentalidade com este post repleto de malvadez! Para aprenderem.

E repito: Não sou contra o inglês! OK?

PS do PS - Ah ah que irónico. Um post a criticar o inglês e acabo a dizer OK.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).