quinta-feira, 10 de março de 2011

Sempre a pedir desculpas, eu!

E com o de amanhã, somam-se três capítulos do policial que tenho de colocar no blog.

Uma história que me está a dar a volta à cabeça...

Só me faz pensar «Porque é que eu me meto nestas alhadas, porquê?»...

Ainda pensei escrever pelo menos um hoje, mas demorei tempo demais com o post anterior, e têm de perceber, eu agora estou sem computador, ultimamente estou com imensas coisas para fazer (para provar esta afirmação, primeiro: recebi hoje o vídeo da entrevista do DN, e ainda hoje quero vê-lo e começar a preparar a reportagem para a próxima fase do concurso. Depois, tenho o Concurso Nacional de Leitura. Vou ter de ler dois livros que nas livrarias estão caríssimos e na biblioteca... bem, tenho o cartão suspenso até Abril, ou lá o que é... depois, tenho um trabalho de História para entregar na segunda-feira sobre «a minha imagem do Ocidente Medieval». Muito interessante... E por fim, tenho outros projectos na mente. Ora tomem lá!).

A minha prioridade de quando venho à net é ver o essencial, e depois ir para o superficial. E como eu nunca escrevi uma história desta envergadura na minha curta vida, torna-se difícil dar-lhe um rumo, como está agora a acontecer. Mesmo que eu já tenha na mente o final da história (que é fraquinho, diga-se de passagem), tenho de ver como ela vai ser estruturada até chegar ao último capítulo.

Pronto, escrevi este post para explicar a situação. É claro que, talvez, com o tempo que demorei a escrever isto, poderia ter escrito outro capítulo... mas é a vida, vá-se lá saber porquê.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).