quinta-feira, 17 de março de 2011

Continuo solteiro ... ou uma crónica dedicada ao amor

Depiois deste tema já ter feito correr litros de tinta (virtual) no blog, decidi voltar com ele, e além de lhe fazer um update, dedicar-lhe pela primeira vez uma crónica, porque quando falei de amor no blog foi em posts dispersos.

Quis fazer isto para comprovar que, passado mais ou menos um ano, depois de eu ter feito um «Programa do mal-dizer» sobre este tema, eu continuo com a mesma opinião choninhas sobre ele. Ou talvez não... E depois porque têm ocorrido uma série de acontecimentos nos últimos dias que me fizeram querer voltar a escrever uma crónica sobre... l'amourrrr.

A ideia para este post surgiu-se-me (adoro usar demasiados pronomes numa palavra) ontem, na reunião semanal do pequeno grupo no qual estou inserido (que já foi maior, mas que foi dividido em dois para haver mais tempo para a partilha), nos grupos de jovens do Campo Grande. O tema de ontem era a amizade (até pensei em re-abordar este tema, mas como já fiz uma edição das «coisas que me irritam» dedicado a um certo caso, não valia a pena voltar a falar sobre ele. Talvez daqui a uns tempos, para deicar arrefecer. Ou então pego logo daqui a uma semana, se não tiver temas para falar), e no final ainda se falou um bocadinho sobre os namoros e as curtes, temas que, já na reunião de ontem disse e ironicamente, devo ser a pessoa que, das que estavam naquela sala, era o mais ignorante.

E continuo a achar que sim, mesmo depois do «piqueno» debate que se gerou depois desta minha afirmação (foi curtinho porque o tempo da reunião estava a acabar), que confrontou opiniões. Mais tarde voltaremos a falar deste tema.

Depois de tanto engonhar, em relação ao amor, fiquem descansados que continuo a achar as mesmas besteiras de sempre. Também por um amigo meu ter arranjado namorada hoje (e sim, hoje, meus amigos e amigas), sinto-me mais «oh pá, e eu?»... Mas, citando uma frase que ouvi na «Caderneta de cromos» hoje, «há sempre uma tampa para cada tacho».

Oxalá que sim...

Ah, e não quero fazer deste post uma sala de blind dates, ou coisa do género. Era mesmo só para expressar a minha opinião, embora não tenha falado muito sobre o tema em si.

Mas por vezes, penso que é mau estar solteiro... faz falta alguém, por vezes... e noutros casos, é preferível ser solteiro... e fico dividido nestas teorias... E depois ainda me vêm dizer «Só és solteiro porque queres»... talvez seja isso, também.

E no meio disto tudo, o amor continua para mim como aquelas pessoas que somos forçados a cumprimentar mas que depois não conseguimos falar com elas. São alvos evitáveis. Mas não queremos cortar relações com essa pessoa, mesmo que quase não falemos com ela, porque esse corte pode dar sarilho...

É, em poucas palavras, e numa linda comparação, o que eu acho do amor.

Caramba, eu até consigo ser mauzinho neste tema!

Está visto, sou solteiro porque quero... também a escrever coisas deste género... ai ai ai esta vida...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).