sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Uma crónica sobre... peluches. Ou iei! Voltei finalmente com as minhas idiotices!!! Ou ainda, eu sei que era (e ainda sou) um autêntico cromo...

Ah, peluches.

Seres fofinhos, felpudos, queriduchos, fluffies, enfim...

Quem dos meus leitores (sim, vocês são minha propriedade! MUHAHAHAHAHA!), não gosta destes objectos de pelúcia, hmm?

Acusem-se, vá!

Continuando...

Eu gosto imenso de peluches... poderia dizer que era para as miúdas, o que é uma perfeita mentira. Elas até devem pensar que eu sou um débilzinho mental, quando retiro o ratinho porta-chaves da minha mala, e começo a fazer coisas parvas com ele...

Resumindo, neste aspecto, sou uma criança grande. Pelo menos não sou como tais que se metem em drogas e tal. Nesse aspecto, sou saudávelzinho.

No resto, já possuo defeito de fabrico.

Eu tenho peluches que já vinham da minha infância. A maior parte deles está num cesto, que quase nunca mexo (faz-me sempre lembrar o «Toy Story 3», e a cena do miúdo a abandonar os brinquedos...). Mas estão lá, a marcar presença.

Ultimamente, tenho brincado muito com o ratinho porta-chaves, que me deram no Natal. Acho-o graça. E também porque a minha alcunha é «Rato».

E eu admito que gosto de peluches com toda a sinceridade! Não tenho problemas nenhuns em assumir isso (só se para ter um emprego, tivesse de odiar peluches, aí já considerava um pouco a minha opinião...).

Pensava, quando era pequenino, que os peluches tinham vida, e punha-me a falar com eles. Falta de vida social. Talvez fosse isso.

Mas enfim, fico orgulhoso que, na minha infância, gostasse de brincar com estes seres, e não com action-men, ou das outras coisas da moda. Eu sou sempre contrário à moda, não sei porquê. A moda é lentes de contacto? Pumba! Óculos de Sol. A moda é andar de skate? Pumba! Ando de trotinete e já vão com sorte... Aliás, acho que até já deixei de andar de trotinete long time ago... Por isso, vou a pé, que faz melhor!

E, para terminar esta idiotice, algo confusa, vinda dos recantos obscuros da minha imaginação, uma frase solene.

TEDDY BEAR AO PODER!

E assim, chegamos ao Fim.

PS - Este post é muito ridículo, eu sei. Mas serve apenas para marcar o meu regresso aos posts. O primeiro é sempre fraquinho, os outros, vamos a ver. Prometo que irão ser... mais fraquinhos, se eu conseguir.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).