terça-feira, 3 de agosto de 2010

Rui Responde n.º 6

Ontem disse que ia relançar esta rubrica, e pedi que os leitores me ajudassem, enviando as suas perguntas.

Ora, quando eu estava a ver que não poderia por agora reabrir o «Rui Responde» por falta de questões, duas amigas minhas elaboraram em conjunto, às tantas da noite, 27 perguntas por SMS para isto! E o quanto que eu lhes fiquei agradecido! Foi um verdadeiro trabalho de equipa para não me verem na ruína! Elas dantes, quando eu pedia, também mandavam, mas era uma ou duas, e agora, foram logo 27!

Obrigado Inês e Sara!

(elas têm os seus blogs, que podem ver aqui e aqui. Há já algum tempinho que não são actualizados mas vale a pena dar uma espreitadela)

Por isso, já tenho mais 9 edições destan rubrica asseguradas (ora, se cada edição tem 3 respostas a 3 perguntas, e eu tenho 27 por responder, ora... façam a conta, a ver se não dá 9!)

E, por agora, pelo menos durante as próximas 9 semanas, irei responder a todas, mas mesmo a TODAS as perguntas que elas me mandaram. Até pensei em mudar o nome disto para «O Rui Responde à Inês e à Sara», mas é melhor ficar como está.

Mas é claro, também espero que os outros leitores também mandem! Já sabem, podem mandar através dos comentários, pelo mail ruialvesdesousa@hotmail.com, ou por telefone, se tiverem o meu número (não vou pôr o meu contacto telefónico aqui!)

Mas cá vão. 3 respostas às 3 primeiras perguntas que a Sara e a Inês gentil e carinhosamente me mandaram... (as primeiras duas foram ideias individuais. Já as outras 25, segundo o que elas me disseram, foram elaboradas em conjunto. Portanto, a partir da 3.ª, assino sempre Inês & Sara.)

16.ª pergunta

Se pudesses ser uma personagem de um filme, qual seria e porquê?

Inês

Eu acho que não há apenas uma personagem possível. Depois de muito pensar sobre como responder a isto, achei que uma não chegava, e por isso pus mais. Três, para ser mais preciso.

Gostava de poder encarnar a personagem principal do filme «Voando sobre um ninho de cucos», uma das minhas fitas favoritas. E que personagem é essa? Bem, chama-se Randle Patrick McMurphy, e no filme original foi interpretado por um dos meus actores de eleição (e que é a pessoa que não é irritante n.º6), Jack Nicholson. Gosto desta personagem porque é um delinquente, que para escapar à prisão diz-se louco e vai parar a um manicómio. Ora, chega lá, e a chegada dele muda totalmente a rotina dos pacientes. Ele tenta sempre que aquele estabelecimento, quase prisional, segundo ele julga, não está a ajudar os pacientes a melhorarem, e eles próprios, tomam o Randle como o seu líder, que quer revolucionar aquele hospital. O filme acaba mal para o Randle, mas adorei esta personagem por ser divertida e reaccionária, e é por isso que gostava de a interpretar.

Por outro lado, gostava de poder encarnar o personagem interpretado por Clint Eastwood no filme «Gran Torino», Walt Kowalski, um veterano de guerra, arrogante, cínico, um pouco racista, também, que vê o seu bairro ser apoderado por chineses que vão para lá viver e ele ser o únicvo branco daquela rua. A família dele é imprestável, mesmo, porque estão quase à espera que ele morra para fanarem as preciosidades de que ele é possuidor, como o seu Ford Gran Torino. Mas, quando salva um dos seus vizinhos de ser morto por um gang daquela rua, a sua vida muda completamente. Gostei muito desta personagem, porque me tocou, e que, para mim, foi a melhor interpretação do Clint Eastwood.

Por fim, não me importava de reencarnar a famosa personagem interpretada por Roberto Benigni no clássico italiano «A vida é bela», vencedor do óscar de melhor filme estrangeiro. Gostava de a interpretar por ser uma personagem que, mesmo com as adversidades com que tem de lutar, continua com o seu ar bem-disposto e bem-humorado, e nota-se isso principalmente na parte em que ele vai parar ao campo de concentração, com o filho, que para o ajudar a perceber o que se estava a passar, dizia que tudo aquilo era um grande jogo, que eles tinham de ganhar. Se viste o filme, sabes que o Guido, que é o personagem, morre no final. Fiquei mesmo triste quando, no final, o miúdo vai ter com a Mãe a gritar «Ganhámos! Ganhámos!». Tenho de dizer que, a primeira vez que vi este filme, tinha 7 ou 8 anos, chorei um pouquinho nesta parte final.

E pronto. Desculpa se a resposta foi demasiado grande. Não adormeças a meio de ler isto!


17.ª pergunta

Qual a tua comida preferida ou que prato sugeres?

Sara

Acho que estas duas perguntas se podem responder em uma, porque a comida que eu gosto é a que eu sugiro, e ponho-las segundo o teu apetite, ou a hora a que estiveres.

E por isso, digo-te, por ordem: um bom bife da Portugália (sabe sempre bem às sextas-feiras à noite, e deve-se comer quando se está com uma fome de leão), uma tosta mista (sabe bem, mas mais à noite, quando se está com um estômago meio cheio), um geladinho (SEMPRE!), uma coisa que é tipo panado, mas maiorzinho, com salada de batata, que comi há dias num restaurante austríaco no Chiado (pergunta à inês que ela sabe o que é. Sabe bem nos dias fresquinhos), que tinha um nome muito esquisito que agora não me lembro como era, e por agora só me lembro destes. Se entretanto me ocorrerem mais, posto aqui.

18.ª pergunta

De todas as alcunhas que já te chamaram, qual foi a mais ridícula, e qual foi a que gostaste mais?

Inês & Sara

Embora eu possa ter algumas alcunhas, também nunca tive por aí além.

Acho que a gostei menos foi uma que uns sotôres (e quando digo isto não é nenhum professor. Estou a referir-me a certos colegas), que ne chamaram, por uns tempos, «gotículas». Essa deve ser a alcunha que menos gostei. Mas porque é que eles, esses senhorzinhos cujo nome não vou revelar (só digo que eram dois, agora tirem as vossas conclusões), me chamaram isto? Ora, é porque eu tenho uma, digamos, quase-deficência. É que transpiro do nariz, ou seja, o meu nariz deita gotículas de suor. Já perceberam, não já? Pronto.

Uma que goste mais, acho que não tenho. Sei as alcunhas que me chamam, e fico indiferente a muitas delas, não tenho preferência. Embora ache engraçado quando me chamam RuRu, ou aquela outra alcunha que a Sara me chamava, mas que agora não me lembro.

E foi a 6.ª edição do Rui Responde, que agora sairá sempre à terça-feira. Não se esqueçam, que mesmo que eu tenha já as próximas semanas preenchidas para responder às perguntas destas duas amigas do Divino (nome que me ocorreu agora e achei graça), podem mandar as vossas questões, dúvidas existenciais, enfim, o que vos vier à cabeça, até se tiverem algum problema que não saibam como resolver, eu posso tentar dar uma ajudinha. Ajudar os outros é bom (principalmente se fosse por dinheiro, mas eu não faço coisas dessas, vocês sabem que não). Por isso enviem as vossas perguntas para a caixa de comentários deste post, para o mail ruialvesdesousa@hotmail.com ou por SMS, se tiverem o meu contacto (se não tiverem, paciência. Tá?)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).