sábado, 7 de agosto de 2010

Golo! Ou melhor, dois golos!

Não gosto de meter futebol neste blog, mas tenho de dizer que fiquei felicíssimo por termos ganho às Águias.

Enfim, é claro que agora, os benfiquistas devem estar a dizer «Ai foi batota e tal». Quer dizer, todos os clubes são assim.

É claro que, quem depois vai sofrer com isso, é aqui o Rui. Chega a Lisboa, à escolinha nova, e toda a gente «Eh! És do Porto! Vai perder, outra vez. Sabes disso?». Isto é com todos os clubes, mas enfim, quando é pelo Porto, gozam todos. Até os que apoiam o Olhanense ou o Ranholas FC.

Se perder, chateiam. Se ganhar, chateiam também. Nos dias de jogos, mais vale estar caladinho, não dizer nada...

Ainda bem que vou para uma nova escola. É melhor nem falar nesses assuntos por lá, que é um estabelecimento de ensino não-sei-quantas vezes maior que a minha anterior escola, portanto se na outra, a pequena, já era chato falar-se de futebol com os colegas, nesta, ui!

Por aqui, no Porto, ouviu-se as buzinadelas, a festejar a vitória. Até gostei, mesmo que não suporte o barulho desse poluidor sonoro. Das outras vezes que ouvi buzinadelas, foi em Lisboa, mas por outros clubes. É bom estar na terra de gente da minha raça desportiva.

Chega de rodeios. Vamos a ver se o "Puorto" fica "campeum" esta época.

Com juizinho...

Sem batotices, se possível... porque eu sou do Porto mas sei do que no clube se anda a passar.

Mas os outros clubes também têm os seus corruptos. Mas os nossos têm mais prestígio, por isso são mais conhecidos. Deve ser por isso, deve.

Mas «Bamos lá cambada, todos à molhada, qu'isto é futebol total!»

Vamos a eles cambada!

«Ai estes são os filhos do dragão!»

Eu, só. E os dois ou três adeptos do Porto que lêem este blog. Porque o resto, ou é leão ou é águia. "Draguões" há "puocos" por estas bandas carago!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).