sexta-feira, 30 de julho de 2010

Morreu António Feio

A página do “Facebook” de António Feio está inundada de mensagens de pesar e homenagens ao actor, que chegou à consagração junto do grande público com a “Conversa da Treta”, ao lado do amigo José Pedro Gomes.

O actor, de 55 anos, estava internado, havia duas semanas, no hospital da Luz , com um cancro do pâncreas em fase terminal. Durante o dia, largas dezenas de admiradores e amigos passaram pela página do actor no "Facebook" para deixar mensagens de apoio e de força na luta do actor contra a doença.

Não foi suficiente. Faleceu, pouco depois das 23.30 horas, na Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital da Luz, em Lisboa.



(In Jornal de Notícias)

Fiquei com pena que este grande actor tenha morrido «cedo demais», como disse o Nuno Artur Silva, das Produções Fictícias.

Como sou novinho, apenas apanhei, da carreira dele, as grandes «Tretas» que fazia com o José Pedro Gomes, e também o «Paraíso Filmes», outra grande relíquia da nossa comédia, que repetiu na RTP2 o ano passado e acompanhei.
Ah, e é claro, também, em pequeno, via alguns desenhos animados a que ele dava a voz. Gostava imenso da voz dele, era boa para os «bonecos», era o que eu achava. E sempre vou achar.
Lutou muito para poder travar a doença que tinha.
Bom, agora fica a memória, e em arquivo, muitos dos trabalhos da carreira de um dos melhores actores portugueses de sempre.

A memória de uma carreira, e acreditem, não foi da treta!

Todos temos altos e baixos mas acho que sempre consegui ver o que é que pode fazer-se, como podem resolver-se as coisas, mas de uma forma mais ou menos tranquila. Através da doença descobri coisas muito boas, nomeadamente a solidariedade das pessoas, a cumplicidade com este problema. É gratificante saber que podemos ajudar os outros a superar problemas idênticos.
António Feio

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).