quinta-feira, 13 de maio de 2010

Coisas que me irritam (n.º 21) - A corrupção

Desculpem-me mas tenho andado a escrever pouco.

Com tanta coisa por fazer, testes, deveres, «Programa do Mal-Dizer»...

Enfim, depois de fazer estas coisas todas (perdoem o que vou dizer agora) fico sem paciência para vir aqui escrever.

Mas, se andaram a sentir a minha falta (o que é pouco provável - e depois não venham dizer que eu sou pessimista demais), decidi escrever algo hoje.

E decidi retomar a tão infame rubrica das Coisas que me irritam, pegando num tema tão comum na actualidade portuguesa.

A corrupção.

Polémica, controversa, idiota, estúpida, má, etc.

É assim como eu a descrevo.

E parece que somos o 37.º país menos corrupto do mundo...

Uau!

Uhu! Vai Portugal! Bora lá! Vamos chegar ao 50.º!

--' peço imensa desculpa por este vaipe...

É que estou sem ideias, não estou mesmo com cabeça para isto, mas achei por bem escrever aqui algo.

Eu acho que todos nós, qualquer ser humano, já foi corrupto na sua vida, quer seja em pequenas coisas ou em grandes coisas.

Toda a gente, de uma maneira ou de outra, numa situação mais ou menos grave, já foi corrupta.

Já os tipos que dizem «Eu tenho um amigo que faz o serviço» já estão a ser corruptos.
Ou os que dizem «Epá! Aquele tipo vai demorar um ano a chegar àquele cargo e eu com uma 'ajudinha' estou lá em 5 minutos.»

Eu odeio injustiças, e por isso, odeio a corrupção. Acho mesmo injusto e criminoso estes actos.

São coisas de que os governos deveriam andar com mais atenção (e se possível que eles também não fossem corruptos).

E, como estou pouco inspirado para este tema, pergunto-vos, é necessária corrupção para fazer girar o mundo?

Fica então uma pergunta para vocês reflectirem, para não ser só eu a reflectir nestas coisas e que
vocês também reflictam nalguns temas de que eu escrevo.

Despeço-me com amizade,

Rui Sousa

1 comentário:

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).