quarta-feira, 10 de março de 2010

Coisas que me irritam (n.º 11) - a minha antiga (e primeira) escola

Este é um daqueles temas que, obrigatoriamente, tinha que entrar nas «Coisas que me irritam».

Era obrigatório que entrasse, mesmo!

Mas começando, então...

Ai, a minha antiga escola! Aquela escolazita (que é um colégio), é uma das muitas coisas que me atormentam a cabecinha.

Para já, uma coisa que não gostava nada naquela escola era a farda. Sim, meus caros e minhas caras, eu usava farda, e achava estranho (é claro que não devo ser o único que pense assim, mas pronto). Parecia que nós, os alunos, pertenciamos à juventude hitleriana (ou à Mocidade Portuguesa), todos vestidos de igual. E quem não viesse de farda, se tivesse esquecido ou outra coisa parecida, parecia que era a peça estragada de todo o conjunto. Desculpem lá, mas é que usar-se farda fez-me sempre imensa confusão.

Outra coisa que não gosto nada naquela escola, é por se dizer uma escola inglesa, que ai nós celebramos todos os feriados ingleses e não sei quê, mas e inglês? Ensinam inglês? Talvez, mas pouco. Enquanto que eu, para falar inglês, sou um nabo, para traduzir, até consigo. Ou seja, só me ensinaram a compreender o que os outros dizem em inglês, sem que eu mesmo me consiga entender em inglês!
Enquanto que a minha Mãe pensa que, lá por eu ter andado numa escola inglesa, devia ser um barra a inglês, eu acho que, se tivesse pensado duas vezes, preferiria ter ido para uma escola onde nem sabem o que o inglês é, que se calhar aprenderia mais de inglês aí do que na «Queen Elizabeth's School».

Mas o mal já está feito...

Ou aliás, já foi feito desde o primeiro ao quarto ano...

Mais uma reflexão com garantia de qualidade Rui Sousa.

1 comentário:

  1. olha lá, tenho uma duvida.. nessa escola como é que os caracóis se reproduziam? :S

    ass: Centeniiiiiii

    ResponderEliminar

Se chegaram até aqui e tiverem alguma mensagem, crítica, ou opinação a fazer em relação ao que acabaram de ler, façam o favor de o escrever aqui. A gerência agradece e responde (se não forem nenhum príncipe da Malásia que tem 10 milhões de dólares para me oferecer, claro).